A única coisa permanente é a mudança.

Por Roberto Recinella:
Porque eu tenho que mudar?
Simplesmente, porque o mundo em que nós nascemos não é mais o mundo em que estamos vivendo. Estes são tempos de transição, instabilidade, renovação, inovação e pluralidade.
Ao folhear uma revista, um jornal ou mesmo assistir televisão, nos deparamos diariamente com matérias ligadas direta ou indiretamente ao tema mudança. Mais da metade dos livros de gestão, que foram publicados nos últimos três anos, têm a mudança inserida em seu título ou subtítulo. Também não faltam seminários, palestras, cursos, encontros de marketing, de administração ou de RH, sem que o tema mudança seja tratado.
Em qualquer empresa, instituição ou mesmo na vida pessoal, alguma coisa mudou, está mudando ou precisa mudar. As coisas mudam, as competências exigidas mudam, o ambiente externo torna-se menos favorável, você fica mais complacente e se acomoda. Rivais inesperados, tão ambiciosos quanto você já foi um dia, encontram um modo de alterar as regras e destruir criativamente as coisas que você fez para permanecer eternamente no mercado. Se quiser permanecer na onda de sucesso, você precisa mudar – ou não sobreviverá.
Segundo Max Gehringer, devemos aprender com as mulheres. Observe o exemplo delas em sua escalada no mundo dos negócios. Um levantamento, feito em 400 empresas, demonstrou que, atualmente mais de 50% das empresas têm como sua principal executiva, uma mulher. Na década de 70, esse percentual era zero. Numa única geração, elas decidiram ser melhores do que haviam sido em toda a história, desde as cavernas. Essa lição vale para todos. Quando a gente acorda de manhã querendo ser o melhor acaba conseguindo.
Mas mudar não é fácil.
Primeiro, porque nos remete para fora da nossa zona de conforto, rumo ao desconhecido, sem certezas e garantias de resultados, gerando assim medo e ansiedade.
Segundo, porque ,a maioria das pessoas não tem a menor ideia do motivo pelo qual estão mudando, são apenas levados pelo fluxo da multidão.
Será que ainda não entendemos que as mudanças (hoje, tão necessárias para as empresas e para a vida pessoal) para serem realmente eficazes devem passar por um processo de maturação lenta e gradual? E que essas mudanças serão oriundas da soma das pequenas mudanças diárias na forma de agir sobre comportamentos que, não repentinamente, mas aos poucos, alterará a mentalidade e as atitudes?
Mudar não se restringe simplesmente a acionar um botão de liga ou desliga, envolve um processo psicológico baseado em motivos pessoais. Isto é: só muda quem quer.
É importante agir cada um a seu ritmo, no ritmo que é possível naquele exato momento. Cada um precisa de tempos diferentes para decidir e perceber claramente esse processo de mudança. É um processo que não se deve apressar ou forçar de fora, mesmo que a solução pareça evidente. Podemos informar, dar nosso parâmetro, nosso apoio, mas não devemos induzir ninguém a decidir. A pessoa saberá quando é o momento dela. E se não souber, continuaremos apoiando-a, até que esse momento se descortine naturalmente frente aos olhos desta pessoa.
O homem, por medo do sofrimento, parece ter se rendido a vontade de não crescer, não envelhecer, não sentir dor, não se cansar, não se aborrecer. Era o que Nietzsche pensava. “Crescer dói, descobrir dói, amar dói, se apaixonar dói muito”.
Desafios e mudanças caminham junto com oportunidades e crescimento. Não aceitar mudanças pode significar bloquear seu futuro. Atualmente, quem se adapta às mudanças apenas sobrevive. Para nos sobressairmos, temos que promover a mudança.
Viver é estar diante do eterno paradigma ameaças x oportunidades. Toda mudança traz a semente do novo, do medo, do desconhecido, do ridículo, do falível. Mas, por outro lado, também traz a oportunidade da experimentação, da inovação, da vitória, do sucesso, da curiosidade, da espontaneidade e da originalidade.

 

Aqui você vai encontrar os links das principais resenhas publicadas nas redes.

Vale salientar que a Catho, maior site de classificados de empregos do Brasil, também recomendou o livro Mulheres Guerreiras em seu Portal Carreira & Sucesso, na semana do dia Internacional da Mulher de 2015. Vale a pena conferir:goo.gl/Z3eC90

Desbrava(dores) de livros: goo.gl/vWcIB2

Livros, vamos devorá-los: goo.gl/lGmxNI

Resenhando a Arte: goo.gl/D7Z60k

MilkShake de palavras: goo.gl/hDbGQu

Blog Everything But the Books: goo.gl/eIUQdF

Quem gosta de ler: goo.gl/yRLpzS

Livrofagia: goo.gl/Rvh74E

O mundo de Mari: goo.gl/MiQEne

Tenda dos livros: goo.gl/QnQ16Q

Resenhando a Arte by Leonardo Carvalho: goo.gl/5r8vss

Leitura Virtual: goo.gl/pR1eMG

♥♥♥

Tenho outras resenhas, entretanto acho desnecessário mais que onze ok?

Interessante é que no meio dessas onze, três foram feitas por homens: Resenhando a Arte pelo querido e amado Leonardo, Desbrava(dores) de livros pelo já conhecido e respeitadíssimo  Marcos de Sousa, o meu fofo lindo Raphael Sulivã do Quem gosta de ler, lembrando que Raphael tem apenas 13 anos. O Isaac Zedecc bem jovem também, aos 14 anos já leu até livro que contém pornografia, tudo em nome da literatura!hehehehe

O mais interessante disso tudo é que após a leitura dessas resenhas me senti fortificada. Todos os queridos blogueiros(as) foram altamente profissionais e justos em suas colocações. Saber ainda que os homens estão gostando, e mais, os meninos, pásmem! Nunca imaginei que meu livro seria devorado por meninos também. Isso é muito motivador. Cada resenha uma emoção diferente, mas todas muito fortes.

Estou disposta a continuar até o fim. Assim como prometi no livro, vou seguir a carreira de escritora e o segundo livro (é segredo, não contem pra ninguém, rsrsrsrs) já consegui terminá-lo, mas não posso divulgar de forma alguma, pois inscrevi o mesmo num concurso muito importante pra mim, e o edital deixa bem claro a exclusividade. Enfim, concebi um romance bem bonito e emocionante, vocês vão gostar também.Fiquem torcendo por mim. 

Assim que tiver novidades eu falo pra vocês ok?

Obrigada a todos, do fundo do meu coração.

Abraço bem apertado, daqueles que descrevo no livro♥